MG Blog

A “tiktoketização” e mudanças nos algoritmos das redes sociais
🎧 O Tik Tok estourou durante a pandemia e mudou a forma como consumimos vídeos online, os algoritmos das redes sociais também mudaram para acompanhar a tendência por conteúdos imediatos e divertidos

Gostaria de escutar esse áudio de qualquer lugar e momento? Basta clicar no ícone ao lado e preencher o formulário!

mudança no algoritmo das redes sociais

Desde 2020 o aplicativo chinês tem transformado nossa forma de consumir conteúdo nas redes sociais. Para quem trabalha com internet ou a usa para promover seus produtos, fica evidente que o algoritmo das redes sociais está mudando.

Mas você sabe como funciona o mais conhecido deles, o algoritmo do youtube? 

Entendo pelo menos ele, é possível ter uma ideia de como funcionam as outras redes sociais e saber o que está acontecendo nas plataformas.

Para isso, preparamos esses tópicos para ajudar você a tirar as principais dúvidas e saber o que vem pela frente:

Neste artigo você vai poder ler sobre:

Como funciona o algoritmo das redes sociais?

São os algoritmos que ditam as regras do Youtube, e também do Instagram, e são estudados por quem deseja garantir o sucesso de campanhas de Marketing Digital nas mídias sociais.

A principal função da ferramenta para os usuários é entregar conteúdos baseados em gosto pessoal e alguns critérios de impulsionamento.

Conteúdos family friendly, que podem ser vistos por toda a família e não contenham palavras de baixo escalão, são mais fáceis de serem incluídos na aba “em alta” e de serem recomendados para o público.

O youtube está sempre observando as escolhas e o comportamento dos usuários em cinco pontos: pesquisa, home, vídeos sugeridos, tendências e inscrições.

É uma das poucas redes que não faz segredo sobre o funcionamento de seu algoritmo. Essa “transparência” tem o intuito de ajudar os criadores de conteúdo e marcas a entenderem as mudanças que precisam fazer para ampliar seu alcance na plataforma.

Sabendo traçar uma boa estratégia de marketing a oportunidade de chegar nos usuários é grande, segundo o diretor de produto do Youtube, Neal Mohan, 70% da audiência. 

O que o algoritmo considera?

O algoritmo do youtube leva em consideração dados de desempenho dos vídeos sugeridos e dados de personalização com base no comportamento do usuário.

Os dados de desempenho sofrem alterações conforme o comportamento dos usuários e no último ano a mudança se deu no aumento do peso da retenção de vídeo para os cálculos.

Os dados de desempenho analisados são: 

  • Cliques no vídeo;
  • Tempo assistido do vídeo (retenção);
  • Interações no vídeo (likes, dislikes, comentários ou compartilhamento);
  • Popularidade  do vídeo (a velocidade com que ganhou visualizações);
  • Vídeos novos;
  • Frequência de envio de conteúdo para o canal;
  • Tempo da sessão.

Esse último é o item que vem tirando o sono de quem cria conteúdo para o Youtube. O tempo de sessão é diferente do Watchtime, nele é contado o tempo que o usuário ficou na plataforma, desde que abriu um vídeo até sair do Youtube.

O Watchtime é o tempo de retenção, o que identifica o quanto o usuário permanece no seu vídeo. Hoje quanto mais longo o vídeo, maiores as chances de saírem rápido do vídeo se não for um conteúdo atraente.

Ainda que muita coisa tenha mudado no algoritmo do Youtube, a frequência, ou consistency, é uma métrica que permanece, pois é atrativo para o usuário saber que todo dia, semana ou mês sairá um vídeo novo.

Por que fazer vídeos para as redes sociais?

As redes sociais são um dos recursos de vendas mais acessados hoje. Nelas se destacam os vídeos.

Vídeos são essenciais para qualquer plano de marketing nas redes sociais. São uma ótima maneira de se comunicar com seus seguidores. Atualmente a atenção do público se prende mais à vídeos rápidos.

A vantagem é que fazendo vídeos fica mais rápido de transmitir uma mensagem clara para os possíveis clientes. Em meio à tanta concorrência é preciso atrair o interesse e envolver o seguidor chamando a atenção.

A importância dos vídeos cresceu tanto, que o Instagram fez grandes mudanças em seu posicionamento enquanto aplicativo. Desde seu lançamento em 2010 a rede social já sofreu diversas alterações e uma das mais significativas foi a inserção de vídeos.

O que mudou com o crescimento do Tik Tok?

Na contramão do Youtube e da Twitch, que contam com vídeos de vários minutos ou lives longas, surgiu o Tik Tok com vídeos curtos e se tornou um fenômeno entre os mais jovens.

Apesar de ter sido criado em 2014, sob o nome de Musical.ly, foi só em 2020 que a rede explodiu. Com a pandemia, o aplicativo passou a bater recorde atrás de recorde nos primeiros meses de 2020.

No início se pensava que essa seria uma febre passageira, como aconteceu com o Vine. Porém depois de alguns meses até o Instagram teve que admitir que os vídeos curtos com música estavam vindo para ficar.

O Instagram utilizou a mesma estratégia adotada para concorrer com o Snapchat, o uso de publicações “semelhantes” ao Tik Tok, o reels, em seu feed e está passando por grandes atualizações desde meados de 2020.

Em julho deste ano, 2021, Adam Mosseri, diretor do Instagram, disse que o mesmo não é mais “um aplicativo de compartilhamento de fotos quadradas”. Ele também declarou que foi feita uma pesquisa na qual as pessoas disseram que procuram entretenimento no aplicativo.

Essa declaração é o que está norteando as atualizações do Instagram, que está entregando na timeline mais reels que foto. As futuras novidades se baseiam também na pesquisa e no comportamento dos usuários.

A plataforma dará mais destaque aos vídeos que geram entretenimento e sugestões de conteúdo na timeline. A aba de vendas receberá mais atenção, pelo crescimento do comércio online na pandemia.

O Youtube segue na mesma linha de investir em vídeos curtos ou recomendar conteúdo de entretenimento. Em julho a plataforma criou o Shorts em 23 países, incluindo o Brasil, porém muitos criadores ainda não se familiarizaram com o recurso. Até mesmo o Pinterest entrou na tendência e criou o Idea Pins

A tendência é que, ao menos no próximo ano, os vídeos curtos sejam o formato mais adotado por quem produz conteúdo na internet.

X